O DNA corintiano está cravado no Corinthians há uma década e novamente deu resultado. O clube alvinegro é tricampeão paulista depois de 80 anos. Sob o comando de Fábio Carille, o time corintiano mostrou outra vez uma extrema capacidade de se adequar a situações adversas, sempre com uma filosofia nítida como base: a de que um bom time começa pela solidez defensiva.

Carille assumiu o comando do Corinthians pela primeira vez no começo de 2017. Na primeira entrevista, deixou claro que a o passo inicial seria arrumar a linha defensiva, uma das heranças deixadas pela dupla Tite e Mano Menezes, técnicos que foram seus mentores no clube.

O treinador conquistou o título de 2017, repetiu a dose no ano seguinte, e, depois de oito meses longe do clube, voltou para ser tricampeão. Nas três campanhas, moldou o Corinthians diante de dificuldades: Carille enfrentou a descrença de 2017, o desmanche de 2018 e o tempo escasso de 2019 diante de muitas caras novas. Se não conseguir dar brilho à equipe, o treinador mostrou mais uma vez um forte pragmatismo, com os melhores momentos registrados nos clássicos em Itaquera.

Com três esquemas táticos diferentes e poucos jogadores remanescentes – apenas Cássio, Walter, Fagner, Pedro Henrique, Pedrinho, Jadson e Gabriel continuaram no elenco -, o Corinthians manteve sua hegemonia no futebol paulista. Agora são 30 conquistas, com quatro tricampeonatos estaduais na história.

Campeonato Paulista de 2019, conquistado pelo Corinthans


O mentor e comandante do tri

Ele é o líder maior, que rege o grupo fora do campo de batalha. De perto, de olhos atentos e pernas inquietas, orienta seus comandados em busca de objetivos. Os de Fábio Carille são nítidos: organização, trabalho e concentração, especialmente em jogos grandes. As três características marcaram as campanhas vitoriosas do Corinthians no Estadual a partir de 2017.

Todas essas metas tiveram como pano de fundo uma imensa capacidade de se reinventar diante de situações adversas. No ano passado, por exemplo, Carille precisou tirar da cartola um esquema tático sem centroavante depois de perder Jô para o futebol japonês.

Em 2019, pôde contar novamente com a força de um jogador de área, Gustagol. Com mais opções no elenco, o treinador conseguiu fazer o Corinthians jogar de forma bem distintas como mandante e visitante. Trabalhador, com turnos de até 12 horas no CT Joaquim Grava, Carille conseguiu novamente administrar o elenco e superar os rivais.

Como um legítimo líder, Carille também chegou a defender jogadores do elenco publicamente, como o atacante Gustagol e o lateral-esquerdo Danilo Avelar. Com o apoio do chefe, ambos deram a volta por cima.

De volta ao comando do Corinthians, quebrou marcas que duravam muito tempo. Ele é o segundo treinador corintiano a ser tricampeão paulista seguido, repetindo Guido Giacominelli, que conseguiu o feito em 1924, há 95 anos. Carille é também agora o segundo técnico mais vitorioso da história alvinegra, com quatro conquistas, mesmo número de Oswaldo Brandão – Tite é o primeiro, com seis taças.

Cassio levanta a taça de Campeão Paulista pelo Corinthans

fonte:www.esporte.uol.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome